Por uma Nova Política * Gleisi Hoffmann

“Deixaremos uma herança bendita para os próximos governos.” (Dilma Rousseff, em discurso no lançamento do PAC 2)


PAC 2 eleva otimismo
O anúncio da segunda fase do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) levou mais otimismo aos empresários brasileiros. Um exemplo são os dados da Abramat (Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção): 70% dos fabricantes do setor da construção pretendem investir nos próximos 12 meses. Esses números representam o maior nível desde que surgiu a pesquisa em junho de 2006 e foram impulsionados pelos investimentos em moradia que serão feitos pelo projeto incluído no PAC 2, o “Minha Casa, Minha Vida”. Aliás, o índice de otimismo sobre as ações do Governo Lula para os empresários passou de 70% para 77%. O aumento se deve a desoneração do IPI para materiais de construção e do estímulo aos pequenos consumidores. O setor estima crescimento de 15% para este ano.

Aumento de renda em área rural
Aumentou a renda familiar média das pessoas que vivem em áreas rurais em cerca de 30% entre os anos de 2004 e 2008, conforme dados do “Pnad 2008: Primeiras Análises – O setor rural”. Ainda assim a renda média é menor se comparada com as pessoas que moram nas cidades. O estudo apontou que em 2004 a renda no campo era de R$ 281,00 e em 2008, subiu para R$360,00 um crescimento de 28,11%. Uma das saídas para melhorar a renda no campo é fortalecer a agricultura familiar, que segundo o Ipea “é responsável pela grande maioria das ocupações no meio rural, se comparada a todos os demais vínculos ocupacionais, incluindo-se aí os postos de trabalho gerados pelo agronegócio”.

Homicídios aumentam no interior
Você sabia que nos últimos dez anos, o número de homicídios teve queda nas capitais, mas aumentou no interior? É o que mostra o Mapa da Violência 2010 – Anatomia dos Homicídios no Brasil e divulgado na final de março. O estudo conclui que a média do número de homicídios a cada 100 mil habitantes passou de 25,4 em 1997 para 25,2 em 2007. Houve queda nas capitais do País de 45,7 homicídios a cada 100 mil habitantes, em 1997, para 36,6 em 2007. Mas no interior, as ocorrências aumentaram de 13,5 para 18,5. No entanto, ainda assim a violência atinge muito mais as grandes cidades conforme demonstram os números. O estudo apontou ainda que a violência entre os jovens seja uma das principais causas para esse cenário brasileiro. O perfil das mortes é de homens jovens e negros, em 90% dos casos. Entre os dez municípios mais violentos do País estão Guaíra (PR), em 4º lugar com 106,6 por cada 100 mil habitantes e Tunas do Paraná (PR), na 7ª posição, com 99 homicídios/100 mil.

Gleisi Hoffmann é advogada e integra o Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores. Contatos: gleisi@gleisi.com.br
Compartilhe no Google Plus