Ivan Lessa morre aos 77 anos em Londres

O escritor e cronista Ivan Lessa, colunista da BBC Brasil, morreu na tarde da última sexta-feira em Londres, aos 77 anos.
Ivan era colaborador da BBC desde janeiro de 1978, quando deixou o Brasil para se radicar na capital britânica.

Ao lado de nomes como Millôr Fernandes, Jaguar, Ziraldo, Tarso de Castro e Sérgio Cabral, ele foi dos fundadores do jornal O Pasquim, que ganhou fama com a resistência à censura promovida pela ditadura militar.
Ao lado do cartunista Jaguar, também cofundador do Pasquim, criou o personagem Sig, o ratinho inspirado em Sigmund Freud que se tornou o símbolo da publicação.

Ivan publicou três livros - Garotos da Fuzarca (1986), Ivan Vê o Mundo - Crônicas de Londres (1999) e O Luar e a Rainha (2005). Também participou do livro Eles Foram para Petrópolis, de 2009, uma compilação da sua troca de correspondência por e-mails com o amigo e também jornalista Mario Sérgio Conti. 

Ele também trabalhou na TV Globo e foi colaborador de diversas publicações brasileiras, entre elas as revistas Senhor, Veja e Playboy, e os jornais Folha de S.Paulo, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil

Nos últimos anos, Ivan vinha publicando três colunas semanais no site da BBC Brasil - a última delas publicada na manhã de sexta-feira.

Antes de se mudar definitivamente para a Grã-Breranha, em 1978, o escritor já havia passado um período de três anos na cidade, entre 1968 e 1972, também trabalhando para o então chamado serviço brasileiro da BBC de Londres.

Após sua mudança, em 1978, ele retornou apenas uma vez ao Brasil, para uma breve visita em 2006, a convite da revista Piauí, para escrever um artigo sobre suas impressões do Rio de Janeiro após 28 anos de ausência.


O escritor vinha sofrendo há alguns anos com dificuldades respiratórias decorrentes de um enfisema pulmonar.

A doença havia levado Ivan, nos últimos meses, a deixar de frequentar diariamente a redação da BBC Brasil para escrever suas colunas.

Ivan era filho único dos também escritores Orígenes Lessa e Elsie Lessa. Ele deixa a mulher, Elizabeth, e filha única do casal, Juliana.

Elizabeth, com quem ele era casado havia 39 anos, conta que Ivan vinha sofrendo muito nos últimos meses com a falta de ar e tinha dificuldades em sair de casa.

"Ele estava sofrendo muito, mas se recusava a ser internado, não queria ir ao hospital", disse Elizabeth.

O corpo do escritor passou neste sábado por uma autópsia para determinar a causa da morte.
Segundo Elizabeth, o desejo de Ivan era ser cremado, mas ainda não há confirmação sobre data ou local.


Compartilhe no Google Plus