Cheque usado para comprar direitos de Super-Homem é vendido por US$ 160 mil

Herdeiros de Siegel e Shuster ainda tentaram
 reaver direitos do Super-homem
O cheque original usado para comprar os direitos do personagem Super-Homem de seus criadores foi vendido em um leilão na internet e alcançou o preço de US$ 160 mil (cerca de R$ 294 mil).

Os criadores do super-herói, Jerome Siegel e Joe Shuster, de Cleveland, receberam US$ 130 (quase R$ 240) pelos direitos do Super-Homem em março de 1938. Quem pagou foi a Detective Comics, que, mais tarde, ficou conhecida como a DC Comics.


Shuster morreu em 1992 e Siegel, em 1996.
Quando o super-herói se transformou em um fenômeno global, os dois tentaram reaver os direitos na Justiça.
Cheque já tinha sido usado na batalha judicial dos
criadores para reaver os direitos do personagem

Os herdeiros dos criadores do Super-Homem ainda estão envolvidos em batalhas na Justiça americana com a DC Comics para tentar recuperar os direitos do personagem.

Indústria bilionária

O cheque foi vendido pelo site especializado ComicConnect, que não revelou quem foi o comprador.

"O conceito de super-herói nasceu com o Super-Homem", disse Vincent Zurzolo, um dos fundadores da ComicConnect, à agência de notícias Reuters.
"Aquele cheque de US$ 130 criou, basicamente, uma indústria bilionária", acrescentou Zurzolo.

Apesar de US$ 130 serem equivalentes a um pagamento de US$ 2.300 (cerca de R$ 4.230) em valores atuais, ainda é uma parte minúscula do que o personagem já arrecadou desde sua criação.

O longa-metragem Super-Homem, de 1978, foi um grande sucesso de bilheteria. O filme rendeu continuações e o personagem continua na mira de Hollywood, que planeja uma novo lançamento para os cinemas em 2013. 

No entanto, quando o primeiro filme do Super-Homem foi lançado, um dos criadores, Joe Shuster, estava empobrecido, trabalhando para uma empresa de entregas.

A ComicConnect informou que o cheque foi usado no tribunal na década de 1970, na última vez que Siegel e Shuster tentaram reaver os direitos do Super-Homem.

Depois da vitória da DC Comics, um funcionário da companhia recebeu instruções para jogar no lixo os documentos usados no processo, mas ele manteve o cheque com ele, reconhecendo sua importância na história dos quadrinhos.
Compartilhe no Google Plus

Publicidade