Empossados na tarde desta sexta-feira (17) oito novos juízes substitutos

O 1º vice-presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Sérgio Arenhart (ao centro), e os novos juízes substitutos já empossados.
Em solenidade presidida pelo desembargador Sérgio Arenhart, 1º vice-presidente do Tribunal de Justiça (TJ), realizada na tarde desta sexta-feira (17), no gabinete da presidência do TJ, foram empossados os juízes substitutos Mercia do Nascimento Franchi, Antonio Sergio Bernardinetti David Hernandes, Raphaella Benetti da Cunha, Patrícia Machado Carrijo, Letícia Elsner Pacheco de Sá, Marina Martins Bardou Zunino, André Olivério Padilha e Arthur Cezar Rocha Cazella Júnior, designados, respectivamente, para a 51ª, a 49ª, a 26ª, a 42ª, a 27ª, a 21ª, a 48ª e a 50ª Seção Judiciária, cujas sedes são, pela ordem, as comarcas de União da Vitória, Toledo, Cornélio Procópio, Paranavaí, Cruzeiro do Oeste, Bandeirantes, Telêmaco Borba e Umuarama. A solenidade de posse foi prestigiada por desembargadores, juízes, funcionários do TJ, familiares e amigos dos empossados. 

Em sua saudação aos novos magistrados, o juiz Fernando Swain Ganem, vice-presidente da Associação dos Magistrados do Paraná (Amapar), cumprimentou-os pelo sucesso alcançado e lhes desejou pleno êxito no exercício do cargo. 
"Vocês representam a esperança. Esperança para o Tribunal de Justiça, para o Poder Judiciário como um todo. Esperança para a Amapar, para seus familiares e amigos, mas principalmente para os jurisdicionados, que desejam uma Justiça mais célere", disse Ganem.
Em nome dos empossados, falou a juíza Mércia do Nascimento Franchi, ex-aluna da Escola da Magistratura do Paraná e classificada em 1º lugar no concurso. Ela citou as dificuldades que foram vencidas por ela e por seus colegas durante o longo caminho que culminou nessa importante conquista. Agradeceu o apoio e o incentivo de todos aqueles que contribuíram para essa vitória: pais, professores, familiares, colegas. 
"Não haverá melhor forma de demonstrarmos à sociedade nosso compromisso e nossa responsabilidade para com tais propósito do que através do exercício da judicatura com independência, ética, retidão e prontidão para atender os interesses da sociedade. Para alcançar tal mister, seguramente, a vida profissional nos exigirá não apenas conhecimento jurídico e intensa dedicação ao estudos, mas também nos exigirá sensibilidade, cautela e humildade, aliadas à coragem", disse Mércia Franchi.
Encerrando a solenidade, o desembargador Sérgio Arenhart, transmitiu uma valiosa mensagem aos jovens juízes substitutos empossados. 
"É preciso dizer que tão importante quanto a competência técnica é o conjunto de valores éticos que o magistrado deve levar consigo ao longo de sua vida pessoal e profissional", disse Arenhart. Citando o Código de Ética da Magistratura, o desembargador observou que, nas disposições gerais, o Código evidencia-se o elevado papel do magistrado, a quem cabe buscar, por meio de suas decisões, o fortalecimento das instituições e a plena realização dos valores democráticos. 
Depois mencionou princípios, valores e atitudes indispensáveis para o bom exercício da magistratura, entre os quais destacam-se a independência, a imparcialidade, a transparência, a integridade pessoal e profissional, a diligência e a dedicação, a cortesia, a prudência, o sigilo profissional, o conhecimento, a dignidade, a honra e o decoro.
O desembargador Arenhart finalizou o seu discurso com as seguintes palavras: "Expresso aqui os sinceros desejos de que cada um de vocês encontre nesta Corte, que os acolhe com alegria e esperança, os estímulos necessários para transformar a carreira que ora se inicia numa feliz, produtiva, exemplar e gratificante experiência de vida".
Compartilhe no Google Plus